Categorias
Automação Comercial e de Logística

Inventário Parcial ou Dinâmico, existe diferença?

Você precisa fazer um inventário e não sabe o que é um, ou se sabe, ainda não escolheu qual modelo utilizar? Não se preocupe, hoje você irá conhecer o que é um inventário, e aprenderá modelos de inventário que irão te ajudar no processo de levantamento dos produtos da sua empresa.

 

Inventário

Toda empresa necessita registrar tudo o que ela faz, fez e o que fará. Desse modo, essas instituições estabelecem planos estratégicos e a partir desses planos, são criados métodos que facilitam o levantamento para preenchimento desse registro.

Nesse momento nascem os inventários, que são peças chaves dentro dos procedimentos de controle dos produtos que entram e saem e dos que já estão a algum tempo no estoque. 

O inventário é um sistema típico dos setores de estoques, por ser o setor principal de recebimento e armazenamento de mercadorias. O uso frequente de inventários é necessário, pois sem eles, as empresas ficam expostas a sofrerem consequências como baixa nos estoques, atraso no recebimento de mercadorias, capital reduzido, entre outros problemas. Existem vários tipos de inventários e modos de preenchê-los:

  • Gerais – são aqueles que contabilizam e identificam todos os produtos da empresa, contando com itens como: maquinário, produtos/mercadorias de todos as espécies.
  • Anuais – são inventários que como o nome diz, são feitos apenas no final do ano, em uma linguem específica, chamamos de ano fiscal, ele começa em janeiro e termina em dezembro, seguindo o calendário greco-romano.
  • Rotativo – esse tipo de inventário corresponde a uma frequência de contagem bem rotativa, agregando os períodos mensal, semanal, podendo ser também diariamente feito. Lembrando que esse tipo de inventário é feito por partes, não abrange todo um estoque de uma vez.  
  • Cíclico – nesse tipo de inventário, se busca obter com regularidade as informações, para que assim, a gestão possa ter segurança sempre, e ter noção dos dados atuais da empresa

 

Agora que sabemos o que é um inventário, e os seus tipos, iremos apresentar dois tipos de inventários muito utilizados e que as vezes são confundidos, sendo classificados como inventário parcial ou dinâmico.

 

Inventário dinâmico 

Com o avanço das tecnologias e desenvolvimentos de estudos, em meados de 2015, o setor de estoque passa a obter um novo método de inventário, o inventário dinâmico.

Esse novo modelo possibilita a gestão de estoque caracterizar os inventários, e assim, pode-se ganhar tempo, além de flexibilidade nos processos de informação aos colaboradores sobre os determinados grupos do estoque. Com isso, a contagem será bem mais rápida e fácil de ser feita, pois somente serão contabilizados os produtos do grupo que foi escolhido. 

Como o próprio nome diz, ele é dinâmico, possibilitando definir novos conjuntos de estoque que poderão ser inventariados.

Vantagens do inventário dinâmico 

Podemos listar algumas vantagens dessa modalidade de inventário, são elas:

  • Utiliza os recursos operacionais do almoxarifado de forma econômica. 
  • Só se usa a contagem quando os produtos estão perto de sua situação de ruptura.
  • É feito sobre contagem física, o que possibilita ver os itens e avaliá-los sobre sua situação.
  • Otimização do tempo.

Os inventários dinâmico e rotativo são restritos, deixando assim para gestão a escolha de uma dessas modalidades de inventário. Se os gestores optarem pelo modo dinâmico, consequentemente irão descartar o modo rotativo de inventariado.

 

Inventário Parcial

Esse modo de inventário é elaborado a partir de partes do estoque de uma empresa. Um dos seus focos é a diminuição da burocracia, comum na formulação de um inventário que abrange o todo (inventário total), facilitando assim o trabalho da gestão. 

Esse modelo de inventário é bastante utilizado desde empresas pequenas até empresas grandes, pois nele é possível priorizar as mercadorias que se submetem a alguma especificidade.

A escolha desses produtos pode ser concluída usando-se a classificação que se denomina curva ABC, onde se dá mais atenção aos produtos conforme seja a quantidade que for vendida e o seu custo por um tempo determinado no planejamento estratégico de vendas.   

Esse método foi desenvolvido pelo economista e sociólogo Vilfredo Pareto. Por conta disso, quando chamamos “a curva de Pareto”, estamos nos referindo a curva ABC.

Nessa curva são analisados os seguintes pontos: 

1- A letra A representa os produtos de maior importância (são fundamentais para a empresa)

 2- A letra B, representa os produtos de valor intermediários (são importantes, porém não como os da A)

3- A letra C representa os produtos de baixo valor. (baixa importância)

Daremos um exemplo prático sobre como funciona dentro de uma empresa.

Imagine que uma empresa de construção utiliza a curva ABC. Os produtos da categoria A estarão com porcentagem de 20%, já os da B estão com 30% e os da C estarão com 50%. Logo, podemos classificar itens como:

1- categoria A: caixas d’água – alto valor e existem poucas.

2- categoria B: tintas – preço médio, e existem em maior quantidade.

3- categoria C: pregos – preço baixo e acabam sobrando.

Agora que sabemos como funciona o inventário parcial e que ele utiliza a curva ABC, você pode se questionar sobre qual dos dois escolher.

A resposta vai depender do que você precisa no momento. Sempre é bom analisar os dois tipos, e ver qual irá suprir as necessidades da empresa com mais rapidez e qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *